Perda Auditiva: Causas e Respostas


A perda auditiva é, ainda hoje, encarada como uma diminuição secundária de um dos nossos sentidos e as respostas à mesma, embora com uma evolução muito positiva nos últimos anos, olhadas com alguma desconfiança.

As causas mais comuns de perda auditiva são os ruídos e o envelhecimento sendo que, na maioria dos casos, a perda auditiva não pode ser curada e a resposta passa pela utilização de aparelhos auditivos ou implantes.

Perder a audição com a idade é uma consequência natural. A nossa capacidade auditiva piora a partir dos 40 anos de idade e daí para frente. Mais de metade das pessoas, ao atingir 70 anos de idade, sofre de deficiência auditiva significativa, conhecida como perda auditiva relacionada com a idade - denominada presbiacusia. 

Outro motivo comum de deficiência auditiva é, como referi, a exposição a ruídos, sendo uma consequência direta dos nossos hábitos ou estilos de vida: centros urbanos ruidosos, trabalhos fabris, som alto nos headphones, concertos de música, são alguns dos exemplos frequentes que nos expõem a intensidades de som nocivas.

Existem ainda outros fatores que contribuem para a perda auditiva: algumas doenças e infeções, certos tipos de síndromes, medicamentos e fármacos, malformações congénitas do ouvido, entupimento no ouvido, colesterol, etc.

A maioria dos casos de perda auditiva desenvolve-se gradualmente e os sintomas são frequentemente difíceis de serem reconhecidos mas, caso tenha a sensação de não estar a ouvir bem - não perceber as conversas em família, aumentar o volume de som da televisão, não ouvir a campainha da porta ou o toque do telefone -, deve consultar um médico otorrinolaringologista para que seja feito um teste auditivo e diagnosticado o grau da dificuldade auditiva.

A deficiência auditiva pode ser tratada, mas a audição não pode ser restaurada. Na maioria dos casos a perda auditiva é atenuada com o uso de um aparelho auditivo, algumas perdas auditivas são tratadas com diferentes tipos de implantes e há ainda casos em que são efetuadas cirurgias de correção.

Os aparelhos auditivos são, hoje, uma ferramenta de apoio que permite mitigar a perda auditiva e a sua complexidade tecnológica permite registos de audição cada vez mais perto da audição "normal".

Os aparelhos têm, hoje, características e funções que possibilitam às pessoas efetuar a sua vida quotidiana sem qualquer dificuldade, muitas vezes retomando rotinas que estavam abandonadas por motivo de isolamento social a que a surdez ou dificuldade auditiva podem conduzir – uma vez que se torna penoso não ouvir o que nos dizem, quer na reuniões familiares, quer em grupos de amigos.

Aliada a esta revolução tecnológica deu-se igualmente a revolução estética, para que o estigma de usar aparelho auditivo se fosse dissipando. Hoje, para quase todas as perdas auditivas, há a possibilidade de ter próteses auditivas cada vez mais discretas e invisíveis e, assim, contribuir para o bem-estar e conforto da pessoa que padece de perda auditiva.

O mito de que todos os aparelhos são grandes e apitam está a desaparecer, isto porque, em termos tecnológicos e estéticos, existem soluções muito eficazes e cada vez mais impercetíveis. Contudo, não se esqueçam de consultar um médico otorrino antes e de experimentar antes de adquirir.

 

Por:

Dr. Nuno Sarmento

Gestor de Negócio (20 anos de experiência na área da reabilitação auditiva)

Domingo, 27 de Outubro de 19